Pular para o conteúdo principal

Postagens

Playlists de Outubro - filmes

Esta música faz parte do meu filme preferido sobre questões escolares, o Mentes Perigosas, com Michelle Pfeiffer no clássico papel da professora que vai pra uma turma que ninguém quer e dá um jeito de ensinar alguma coisa a eles com empenho e dedicação, indo além da sala de aula, mudando as vidas e perspectivas de seus alunos, o que nos leva ao segundo filme abaixo, que é baseado nessa historinha aí, mas realmente aconteceu!
The Freedom Writers, ao qual assisti hoje. Made me cry, pretty good. Com Hillary Swank no apel da professora Erin, ou Miss G como os alunos acabam por chamá-la.

O próximo é sobre um professor nas mesmas condições das duas colegas acima, porém ele ensina dança, e junta seu gosto clássico à dança de rua de seus alunos condenados ao tempo integral na escola. Dá certo! Também baseado em uma história real, com Antonio Banderas no papel do professor Pierre Dulaine.
Bom esses são os que vi até hoje, ou hje mesmo. Depois posto mais, porque tenho um ai na mira para ver ho…
Postagens recentes

Celebrations

Entra Outubro e entram-me as expectativas, bom humor até, planos, já penso no próximo ano e qual será a minha temática pessoal. No ano passado, foi gratidão, e quando digo ano passado, refiro-me a Outubro passado, mês em que um novo ano já começa para mim. Fiz muita coisa nesse que passou, trabalhei muito (pelo menos para mim foi muito), inovei, sorri, chorei, enraiveci. A gratidão nem sempre acompanhou meu agir, porém foi alvo de minhas constantes reflexões sobretudo agora descobrindo o coaching. Ainda estou fazendo o curso de teologia, fiz alguns online para treinar inglês, vejo séries e filmes com certeza, mas o speaking está ficando rusty. Então arrumei uma amiga dos "Estêitis" com quem converso um pouco, mas não tanto quanto gostaria, fico travada e sinto que falta-me melhorar muito. 
Decisões grandes me desestabilizam e creio que algumas delas terão que ser enfrentadas logo. Assim como um melhor auto-conhecimento, que tem vindo aos poucos. Meus processos são solitário…

Frustrações

"A emoção impediu qualquer resposta.

João afastou-se. O lábio murcho se estendeu. A pele enrijeceu, ficou lisa. A estatura regrediu. A cabeça se fundiu ao corpo. As formas desumanizaram-se, planas, compactas. Nos lados, havia duas arestas. Tornou-se cinzento.

João transformou-se num arquivo de metal."


(O arquivo. GIUDICE, Victor. fonte: http://www.releituras.com/vgiudice_arquivo.asp)  




É difícil lidar com as própria frustrações pessoais, que dirá com as do mundo. Tenho inúmeras frustrações nesse momento, oriundas da expectativa não alcançada. E em relação a tudo: financeiro, relacionamentos, profissional, justiça no mundo, justiça a mim. Entendo, pois, os suicidas: como fazer quando tudo que você afirma e crê vai contra a maré? Quando teu trabalho não te dá retorno algum? Quando fazer o bem parece não estar na sintonia do resto do mundo? Quando dar gratuidade ao teu trabalho é visto como estranho e louco? Quando fazer críticas é considerado mi-mi-mi? enfim. etcs infinitos...
Se…

Do egoísmo nosso de cada dia

Tentei por um tempo fazer amigos, angariar amores. Imagina, tentar fazer com que te amem, com que alguém se apaixone por ti! Mas o que eu tentava era me fazer interessante, ter algum atrativo. Enfim. Não valeu pelos amores, mas pelos amigos sim, porém como impera em mim a dificuldade da comunicação, tive os amigos, mas perdi-os quase todos. A dificuldade é manter, como quando na escola: tinha-os enquanto estudava, depois perdia o contato. Mas como disse no inicio tentei, e acabei por desistir. Não das pessoas e não por achar que não preciso de ninguém, mas por me conhecer e aceitar assim, fazer o que. Comodismo? Talvez. Mas cansaço também por lutar contra uma natureza simplesmente solitária, a minha. Poderia discorrer a lot sobre isso, mas por hora, é isso que quero dizer, e o que quero com essa justificativa toda é simplesmente me entender. Já tive pretensões de muitos seguidores, comentários, perguntas, etc., porém vi que não é tão fácil assim ser uma celebridade na web. Não serei.…

Crisis part II

Hoje voltei para casa quase sem voz, garganta doendo. Você deveria comprar um microfone, dizem. Mas e as finanças que não permitem? ... Estou inteiramente cansada e senti-me de repente fragmentada. Li rapidamente a postagem que anteriormente havia feito sob o titulo Crisis e lembrei-me do filme fragmentado que gostaria de ver. Ando esquecendo tantas coisas, me atrapalhando com prazos e entregas que temo desenvolver qualquer distúrbio psicológico. Professores tem mais propensão ao Alzheimer, mais propensão a desenvolver depressão, mais cedo perdem a voz, desenvolvem todo tipo de artrites, cansam-se tanto e... trabalho inútil? É o que sinto.

Quer dizer, o que fazer no meio de uma crise pessoal que se junta à uma crise existencial em meio a uma crise que se arrasta por anos - senão desde sempre - no país?

Parece que não há o que fazer e esse "não há" está me matando. Parece que o que está à mão, coisas pequenas, é o que devemos fazer: continuar trabalhando, comprar, passear, v…

Senseless

A vida parece sem sentido no mundo estritamente humano, já sinto isso aos 33. Tem sido um ano ... sabático, no sentido mental e reflexivo, não na prática. Quem me dera tirar umas longas férias, repaginar a vida fazer outras coisas. Não sei se quero continuar como estou, fazendo o que faço. Na verdade, não quero. Muita coisa me diz que não, mas meu idealismo diz que eu devo "never give up". Mas não estou desistindo, talvez desista de algo que está minando minha saúde mental, e ainda não sei o que é. Vivo de especulações. Vivo um desânimo total, sem descanso apesar de dormir bem, esquecendo coisas, sempre atrasada com tudo. Sinto falta e mim mesma, de fazer algo por mim. 
Life my be senseless but love may fulfill it with its strong and easyness don't know what to do by now I maybe I'll keep going not knowing because life, this big mistery, won't give us answers.
É isso. Tem muita coisa aqui dentro que mal consigo expor em palavras, mas ainda estou na minha crise d…

Crisis

Diz o ditado que não adianta chorar pelo leite derramado, mas acho que meu intelecto não entende bem essa expressão, pois o que mais tenho feito nos últimos dias é pensar no passado, no que fiz de errado, no que poderia ter dado certo e não deu. Tortura! Sim, mas sempre foi uma tortura normal e tolerável em pequenos moldes na minha vida, limitava-se a momentos de cabeça vazia, passava depois. Mas hoje eis que acordo e começo a pensar, como se tivesse sonhado com o passado, e me vejo aos prantos pensando no meu passaporte me branco. Nas coisas que poderia ter feito diferente na graduação. No dinheiro que jamais economizei. Nas pessoas que desprezei ou nas que me desprezaram. Cheguei até a pensar que não deveria ter constituído família antes de ter realizado tudo. Tudo o quê?

Onde estou, quem sou? Meu trabalho não tem me satisfeito, parece que estou fazendo algo inútil, lutando contra a maré. Não sei até que ponto isso é verdade, e me dá vontade de pesquisar, ficar um pouco de fora, o …